Taxas de hipoteca: como garantir melhores condições

Quem nunca ficou com um pé atrás ao pensar em nas taxas da hipoteca? Parece ser um território complexo, cheio de jargões intimidantes e encargos inesperados. Mas acredite, não é nada disso.

Sabe aquela sensação de ter um mapa nas mãos enquanto você navega por um labirinto?

Agora imagine se você pudesse ter esse mapa quando se trata de hipotecas. Você saberia exatamente onde encontrar as melhores taxas e como evitar as armadilhas que podem fazer você gastar mais do que deveria.

Parece bom, não é? Pois é exatamente isso que queremos te oferecer.

Neste artigo, vamos descomplicar o mundo das hipotecas para você. Vamos te mostrar que, com as informações certas, você pode economizar uma boa grana na contratação da sua primeira hipoteca.

E não estamos falando de migalhas, viu? Estamos falando de uma economia que pode fazer a diferença no seu orçamento e te ajudar a realizar outros sonhos além da casa própria.

Então, que tal embarcar nessa jornada conosco? Temos 7 dicas incríveis que vão te ajudar a entender tudo o que você precisa saber para conseguir as melhores taxas e economizar dinheiro na contratação.

Vamos lá?

1. Entrada na hipoteca: por que 20% não é suficiente e como aumentar esse valor

Muita gente acredita que 20% do valor total do crédito é suficiente para a entrada. Mas, acredite, essa é uma ideia equivocada.

A exigência de um seguro hipotecário privado (PMI) nas hipotecas convencionais é o que estabelece o valor de 20%.

Na prática, isso quer dizer que se o valor da sua entrada for menor que 20%, você terá que pagar prêmios de seguro hipotecário privado (PMI) até atingir esse patamar de 20% de patrimônio imobiliário.

Então, a dica de ouro é: quanto maior a entrada, menor o valor da hipoteca e, consequentemente, menor o valor dos juros. Mas como fazer para aumentar esse valor de entrada?

Primeiramente, é preciso planejamento. Comece a economizar o quanto antes, corte gastos desnecessários e invista o dinheiro economizado.

Segundo, considere a possibilidade de comprar uma casa mais barata para poder dar uma entrada maior.

E para te ajudar nessa “equação”, aqui vai uma dica: use uma calculadora de hipoteca online, como a da Bankrate ou da Zillow. Ela vai te ajudar a entender quanto você pode economizar ao longo do tempo com uma entrada maior.

2. Score de crédito

O Score de crédito é como um termômetro para os credores. Ele mostra o quão confiável você é quando o assunto é pagar suas contas.

Quanto maior o seu Score, mais confiável você é aos olhos dos credores. E aí, é onde a mágica acontece: taxas de hipoteca mais baixas.

Mas por que os credores se importam tanto com esse número? Simples. Eles querem ter certeza de que você vai pagar o empréstimo.

Se o seu Score é alto, eles respiram aliviados e oferecem taxas mais baixas. Se é baixo, eles ficam nervosos e as taxas sobem. É uma questão de risco.

Agora, a pergunta de um milhão de dólares: como aumentar o seu Score de crédito? Aqui vão algumas dicas:

  1. Pague suas contas em dia. Isso mostra que você é responsável e de confiança;
  2. Não use todo o seu crédito disponível. Isso pode dar a entender que você está gastando mais do que pode;
  3. Mantenha suas contas de crédito antigas. Essas informações revelam que você tem um histórico de crédito extenso e confiável;
  4. Evite solicitar muito crédito de uma vez. Pode dar a entender pros credores que você tá na pindaíba.

3. Taxa fixa Vs. taxa ajustável – qual é a melhor opção para você?

Quer saber como conseguir as menores taxas do mercado quando o assunto é hipoteca? Então, preste atenção, porque a resposta está na escolha da modalidade dessa linha de crédito.

Estamos falando aqui das hipotecas de taxa fixa e ajustável.

Vamos dar início à conversa falando sobre a hipoteca de taxa fixa. Como o próprio nome sugere, essa modalidade tem uma taxa de juros que não muda durante todo o período do empréstimo.

Isso significa que você vai pagar a mesma quantia todos os meses, do começo ao fim. É como ter um compromisso de longo prazo com uma academia: não importa se você vai todos os dias ou apenas uma vez por mês, o valor é sempre o mesmo.

Agora, a hipoteca de taxa ajustável é um pouco mais complicada. Ela começa com uma taxa de juros inicial mais baixa, mas essa taxa pode mudar ao longo do tempo.

É como um plano de academia que começa barato, mas pode ficar mais caro se você decidir continuar após o período promocional.

Agora, qual delas é a melhor para você? Bem, depende. Se você gosta de previsibilidade e planeja ficar na mesma casa por um longo período, a hipoteca de taxa fixa pode ser a melhor opção.

Você sabe exatamente o que esperar e não precisa se preocupar com surpresas.

Por outro lado, se você não tem certeza de quanto tempo vai ficar na casa, ou se acredita que as taxas de juros vão cair no futuro, a hipoteca de taxa ajustável pode ser uma boa escolha.

Mas lembre-se, é um pouco mais arriscado, pois as taxas podem subir.

4. Como reduzir as taxas de hipoteca: ajuste as parcelas para economizar no longo prazo

Quer dar um golpe nas taxas de hipoteca? A solução para reduzir essas taxas incômodas pode estar em ajustar um pouco as parcelas do seu contrato.

Aqui vai o porquê: quando você pega uma hipoteca, normalmente está olhando para um prazo de 30 anos, certo? Isso significa que você tem 30 anos de pagamentos mensais pela frente.

Agora, se você optar por um prazo menor, digamos 15 anos, seus pagamentos mensais serão mais altos. Mas, e aqui está o truque, o total que você vai pagar ao longo do tempo será menor.

Porém, caso você escolha um prazo mais longo, os pagamentos mensais serão menores, o que pode parecer mais atrativo inicialmente.

Mas, a longo prazo, você vai acabar pagando mais. É como comprar algo a prazo: pode parecer que você está economizando no início, mas no final das contas, você acaba pagando mais.

🚨 Você pode curtir: Imposto de parceria – Passo a passo para declaração.

5. Pontos de hipoteca

Conheça as melhores práticas para reduzir as taxas de hipoteca e economizar dinheiro.
Fonte: Canva.com

Primeiro, vamos entender o que são esses tais pontos.

Bem, imagine que você está prestes a fechar um contrato de hipoteca. Nesse momento, o banco ou a instituição financeira pode oferecer a opção de você “comprar” pontos.

Cada ponto custa 1% do valor total do seu empréstimo. Por exemplo, se você está pegando uma hipoteca de U$ 200.000, cada ponto vai custar U$ 2.000.

A essa altura, você provavelmente está se questionando: “Por que eu pagaria mais dinheiro?”. A resposta é simples: cada ponto que você compra reduz a taxa de juros do seu empréstimo.

Isso significa que, a longo prazo, você pode economizar uma boa grana.

Vamos a um exemplo prático. Digamos que a taxa de juros do seu empréstimo seja de 5% ao ano. Se você comprar um ponto (lembrando, no nosso exemplo, o ponto custa U$ 2.000), essa taxa pode cair para 4,75% ao ano.

Parece pouco, mas ao longo de 30 anos, a economia pode ser significativa.

Então, a dica é: se você tem um dinheiro sobrando agora e quer reduzir o valor das suas parcelas futuras, vale a pena considerar a compra de pontos de hipoteca pré-pagos.

Mas lembre-se, cada caso é um caso. Faça as contas e veja se essa opção é vantajosa para você.

6. Aumente sua renda e reduza as taxas da hipoteca

Pode parecer um conselho batido, mas acredite, tem um peso enorme quando o assunto é diminuir as taxas da sua hipoteca: busque aumentar a sua renda.

Sim, é isso mesmo! Parece simples, mas vamos explicar o porquê.

Imagine que você tem um balde cheio de água e precisa esvaziá-lo. Você pode fazer isso com uma colher de chá, que seria o equivalente a pagar a hipoteca com a sua renda atual.

Ou você pode usar uma concha, que seria como pagar a hipoteca com uma renda maior.

Com a concha, você vai esvaziar o balde mais rápido, certo? É a mesma lógica com a hipoteca. Quanto maior a sua renda, mais rápido você consegue pagar e, consequentemente, menos juros você paga.

Agora, você deve estar pensando: “Mas como vou aumentar minha renda?”.

Bem, a boa notícia é que o tempo médio para pagar uma hipoteca é de mais de 15 anos. Isso significa que você tem bastante tempo para pensar em como fazer isso.

Você pode, por exemplo, considerar mudar para uma carreira mais lucrativa. Se você é um professor, que tal se especializar e dar aulas particulares? Ou se você é um chef de cozinha, que tal abrir um restaurante próprio?

Outra opção é buscar uma renda extra. Você pode alugar um quarto da sua casa no Airbnb, vender produtos artesanais online ou até mesmo investir na bolsa de valores.

Mas lembre-se, é preciso planejar bem. Afinal, estamos falando da sua casa e do seu dinheiro.

Não adianta nada aumentar a renda e gastar tudo em coisas desnecessárias. O objetivo aqui é usar essa renda extra para pagar a hipoteca mais rápido e, assim, economizar no longo prazo.

7. Dívida Vs. Hipoteca: a importância de equilibrar sua relação dívida/renda para redução de taxas

Vamos simplificar: imagine que você ganha U$5.000 por mês e tem uma dívida total de U$2.500. Isso significa que sua relação dívida/renda é de 50%.

Ou seja, metade do que você ganha já está comprometida com dívidas. E é aí que os credores entram na jogada.

Eles olham para essa porcentagem e pensam: “Hmm, esse cara já tem metade da renda comprometida, será que ele vai conseguir pagar a hipoteca?”.

Então, antes de mergulhar na papelada da hipoteca, que tal dar uma geral nas suas contas? Pagar dívidas pode fazer com que os credores te vejam com outros olhos e não te joguem na temida lista de espera.

Mas calma, nem toda dívida é vista como um monstro pelos credores. Algumas são até consideradas “boas dívidas”.

Empréstimos estudantis, por exemplo, ou um financiamento de carro (desde que seja razoável e você realmente precise dele para trabalhar) não costumam ser vistos como um problema.

Agora, dívidas de cartão de crédito… essas sim, são o pesadelo dos credores.

Saldos altos no cartão muitas vezes indicam que a pessoa está usando o crédito para complementar a renda, ou seja, está vivendo além do que ganha.

E isso, meu caro(a), é um sinal vermelho para quem está avaliando se te dá ou não uma hipoteca.

Conclusão

Então, se você está ponderando comprar uma casa ou refinanciar seu empréstimo atual, é hora de colocar as cartas na mesa e fazer as escolhas certas.

Não se deixe enganar pelas taxas de juros iniciais, pois elas podem esconder custos ocultos. Faça sua pesquisa compare as ofertas e negocie com os credores.

Lembre-se de que cada centavo economizado na taxa de juros é mais no seu bolso. Portanto, não tenha medo de perguntar, negociar e lutar por um acordo que seja vantajoso para você.

Com um pouco de esforço e planejamento, você pode conquistar as taxas de hipoteca mais vantajosas e economizar uma boa grana ao longo do tempo.

Nataly Chaves

CEO, responsável direto pela manutenção, otimização, configuração e do SEO de todos os sites pertencente a mim. Além de ser colunista, editor e programador dos mesmos. Especialista em marketing digital. Sou dona de alguns canais no youtube entre outras redes sociais com milhares de seguidores.

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo

Carregando